Adeus a um grande

Comecei a escrever sobre HQ para o JT no final dos anos 1980. Na época não era comum que as mulheres lessem ou fizessem quadrinhos. Apesar disso, em minha lida semanal, me vi totalmente acolhida (e sem qualquer preconceito, coisa rara então) por gente séria da área, como o Mauro e o Douglas da distribuidora e editora Devir. 
O Douglas morreu hoje, o que me deixa sem palavras. Tinha 63 anos e já não podia contar com o Mauro, morto em 2012. Eram jovens de cabeça e de coração. 

Eu conversava mais com o Mauro. Ele comentava tudo o que eu cometia no jornal, e de um jeito muito particular. Uma vez analisou assim uma resenha simples: “Você escreve uns textos de fantasia tão bonitos.” Me senti honrada. Eu tinha um gênero de escrita!

Tudo o que esses dois pensavam adquiria enorme importância, e mesmo determinava o rumo de nossos pensamentos. 
Douglas, meu caro, obrigada por tudo e adeus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s