À sombra

fico cansada de me decepcionar com as pessoas.
mas não tenho este direito.
tudo isto é nada diante de viver na rua sozinha, em meio à pandemia, com o filho no colo entre os prédios de passado glorioso das grandes avenidas do centro.
e ter de gritar por ajuda pra alguém indefinido lá em cima, na madrugada, sem poder contar com quem desça pra enxugar o suor do seu rosto, a fuligem da pele.
eu tenho uma rede.
ouso me alimentar de sonho e poesia na manhã ensolarada.
esta é minha verdade.
ou minha solidão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s