Dona Cadu

Em novo single, Mauricio Tagliari celebra a baianidade emérita

Dona Cadu, sambadeira e ceramista do Recôncavo Baiano que ganha homenagem musical de Mauricio Tagliari, cantada por Zeferina

O sorriso é a porta de entrada da casa de Ricardina Pereira da Silva, a Dona Cadu. Sambadeira, ceramista, líder comunitária e doutora honoris causa por duas universidades, Dona Cadu mora na Vila de Coqueiros, fundada no século 18 à beira do rio Paraguaçu, no Recôncavo Baiano. Há quem diga, contudo, que sua residência é o próprio rio, de onde ela tira a vitalidade, o otimismo, o bom humor a um passo da ironia, e onde outrora pescou a bordo da canoa monóxila do marido, feita a partir de um único tronco de árvore. Quem vê esta mulher magra e pequena, de enganosa aparência frágil, pode não acreditar que tenha 101 anos vividos entre a água da área dos manguezais, as fogueiras das queimas da cerâmica e o samba de roda.

O esforço na lida com a argila, que ela iniciou aos 10 anos por gosto, a partir da iniciação de uma vizinha na São Félix onde nasceu, em 1920, deu-lhe sobrevivência. O barro é seu companheiro desde então, e se hoje Dona Cadu diminuiu o ritmo com ele, isto foi consequência de um acidente que a fez submeter-se a uma cirurgia no fêmur. Mas ela não pensa em interromper o trabalho, nem diz poder. Mais que isto, suas panelas, potes e tachos para a moqueca têm de ser perfeitos. Se a modelagem, que dispensa o torno, é ruim, ela nem leva para queimar na fogueira coberta por bambus, ao ar livre. As cerâmicas utilitárias de Dona Cadu são feitas em espírito de comunidade, junto a outras louceiras com quem divide os custos para a compra de material. Se antes as peças em argila eram tudo de que dispunham os habitantes da vila para cozinhar, hoje essas obras asseguram a permanência de uma tradição artística afro-indígena e encantam o mundo inteiro.

Isto considerado, ser sambadeira é o que entusiasma Dona Cadu de verdade, uma vez que jamais tirou alegria do álcool, ao contrário de sua avó, uma indígena que, segundo ela conta, ingeriu uma dose diária de cachaça até morrer, aos 130 anos. Então girar com a música é tudo o que Dona Cadu quer para ser feliz e compensar a dor. Ela dança o samba de caboclo como se imitasse o andar lateral de um caranguejo, rodando a saia branca ampla e rendada, sorrindo até não mais poder. Sua performance é um renascimento.

O samba de caboclo de dona Cadu em Saubara, 2017

Em novembro de 2017, Mauricio Tagliari esteve em Vila de Coqueiros para conhecê-la e a sua oficina de cerâmica, onde sempre há um discípulo a modelar o barro. Dona Cadu, uma espécie de embaixadora da vila, a quem todos tomam a bênção, recebeu-o para conversar e contar suas histórias de procedência. No meio da conversa, para a surpresa do músico, contou-lhe, orgulhosa, que estaria em Saubara no dia seguinte para dançar junto a outras grandes sambadeiras. Tagliari não perdeu a chance de vê-la e, por sua grandeza, esse universo musical entrou na vida musical do artista para não mais sair. “Dona Cadu”, a canção interpretada no single por Zeferina, é a pura celebração que o músico faz à vida e à arte de uma baiana emérita.”

Sambar pra ser feliz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s