Não vejo problema em publicar as cartas dos suicidas. Nem em noticiar os suicídios. A divulgação dos suicídios torna as pessoas suicidas? Então a divulgação de tiroteios em massa e dos crimes cotidianos, também.

No caso do Migliaccio, me parece claro que ele escreveu pra ser ouvido.
E gosto de tê-lo ouvido. Gosto de saber de sua inteligência até no ato final. Me consolaria se Mario Monicelli, o diretor italiano, nos tivesse esclarecido por que pulou do quinto andar de um hospital mal se viu informado sobre um câncer de próstata. Parece óbvia a razão, mas gostaria de conhecê-la, por me importar com ele e seu legado, por ser uma pesquisadora de seu trabalho.

Agora, a publicação de qualquer coisa relativa ao morto deve ser autorizada pela família, ou não ser feita. No caso do Migliaccio, seu filho informou hoje que a polícia transmitiu as imagens da casa sem autorização. E que vai processar o Estado, o que me parece perfeito, por intromissão indevida.

Mas pelo jeito a carta foi autorizada pela família, sim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s