Convescote de sinhás

De 2017

Vestiário da academia de ginástica. A senhora mais idosa e respeitada (família rica e educação) toma a palavra.

– Acho o Brasil um país cruel. O brasileiro é brutal.

Estou me enxugando, paro pra ver se vale a pena entrar na conversa. A senhora, que não se importa de usar colares enormes, pesados para sua curvada coluna, fez uma observação sagaz. Talvez eu tivesse algumas coisas a dizer, mesmo assim, de sutiã. Eu acho que somos violentos de fato, emocionais (isto era o que o Buarque de Holanda queria dizer com cordialidade), herdeiros da escravidão prolongada, poços de preconceitos e lentamente forjadas discriminações, etc. E precisaríamos entender que…

Ela é mais rápida que meus pensamentos.

– Por sermos violentos, deveríamos contar com penas mais duras para os criminosos.

Ata.

Uma outra senhora toma a palavra aos gritos. Ou tem a voz estridente e eu não havia percebido. Em todo caso:

– Lá no Oriente eles cortam a mão do ladrão. Cadê a pena de morte?

E, a partir daí, um concerto paulistano das iras sabidas.

Ainda bem que, como de uso, dou um boi pra não entrar nos convescotes das sinhás.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s