juro

Sinto um pouco de vergonha alheia quando alguém que não me conhece, nem sabe a minha idade e menos ainda o que presenciei, vi ou li, me aplica um ensinamento que não vai rolar sobre coisas (as raras) que, azar desse alguém, sei de cor.

Se gosto desse alguém, é fácil, finjo que não notei a imposição. Se não gosto, hoje ignoro. Mas quando era jovem e insensata, metia o pau logo nessa gente sem dó, pra depois chorar a incompreensão sozinha, no meu canto, dias inteiros.

É melhor guardar o choro pra outras coisas, gente. Juro que é.